Segunda-feira, 17 de Dezembro de 2018

Buscar  
Aparecida

Publicada em 28/11/18 às 08:53h - 253 visualizações
Fazenda Acauã é ícone da Reforma Agrária no Nordeste

Maristela Crispim*


A Fazenda Acauã, em Aparecida (PB), é uma das mais antigas do Nordeste. A autorização para a sua exploração foi dada pela corte portuguesa à Casa da Torre em 1757  (Foto: Internet)

Fazenda Acauã, a 4 Km da da sede do Município, no sertão paraibano, é considerada uma das mais antigas do Nordeste brasileiro. A autorização para a sua exploração foi dada pela corte portuguesa à Casa da Torre, em 1757. O conjunto formado  pela Capela da Imaculada Conceição, construída em estilo Barroco, sobrado, casa-grande e casarios é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) .

Trata-se de um monumento de grande valor histórico, representativo do apogeu econômico e cultural do sertão no Século XVIII. Está ligada à história da Paraíba e do Nordeste, com destaque em diversos momentos da vida brasileira, como a Confederação do Equador, pois o proprietário, Padre Luiz Correia de Sá, era um dos líderes na região sertaneja e a fazenda,  ponto de encontro dos confederados.

Mais adiante, já no século seguinte e mais precisamente na década de 30, Acauã foi propriedade do então presidente da província da Paraíba, João Suassuna, pai do escritor Ariano Suassuna, que por ali viveu um pouco da sua infância, registrada em suas obras como parte das memórias da fazenda que ele considerava a “sua terra no sertão”.

Parte da história da Paraíba, a Fazenda Acauã abrigou a infância do escritor Ariano Suassuna e tem servido como cenário para diversas produções cinematográficas. FOTO: Maristela Crispim

Nas décadas de 30 a 50, a Fazenda pertenceu ao Engenheiro José Rodrigues Ferreira, nascido nos Estados Unidos e naturalizado brasileiro,  implantou uma série de inovações. Graças ao desenvolvimento econômico e político, Acauã foi cortada pela linha férrea no sentido oste/leste interligada com a Rede Ferroviária do Ceará.

Em novembro de 1995, a parte da fazenda onde fica o patrimônio foi desapropriada pelo governo da Paraíba para fins de restauração e implantação de um complexo cultural.

O local tem servido de cenário para filmes, séries e documentários, como o “O País de São Saruê”, de Vladimir de Carvalho (1971); “Memória Bendita”, de Laercio Filho (2005); “O Apóstolo do Sertão” de Laercio Filho (2008); “O Sonho de Inacim” de Eliezer Filho (2009); e “Antoninha” de Laercio Filho (2011).

A ocupação das terras da Fazenda Acauã, em dezembro de 1995, pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), representou o início das ocupações de latifúndios improdutivos no Alto Sertão da Paraíba. Essa luta foi muito significativa para a constituição dos assentamentos de reforma agrária na região, pois impulsionou a luta e encorajou milhares de famílias a ocupar, resistir e conquistar a terra.

O processo foi de muita resistência, seis despejos e sete prisões. Dentre os presos estavam duas alemães que visitavam a área e cinco agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT). A estratégia do proprietário era mandar prender toda a equipe da CPT para acabar com o conflito. Contudo, apesar de toda a repressão, as famílias conseguiram a desapropriação do imóvel.

Hoje coordenadora da Associação dos Agricultores do Assentamento Acauã (AAAA), Maria do Socorro Gouveia, 56, participou de todo o processo e conta que, a partir dos anos 80, a CPT do Sertão mediava os conflitos das ocupações às margens dos açudes públicos. “Foram mobilizadas 200 famílias, mas, inicialmente, só 25 ocuparam. Depois chegaram mais 100, de nove municípios onde a CPT atuava. No fim do processo, ficaram 114”, relata.

Socorro conta que cada família ficou com 15 a 16 hectares de terra de sequeiro (cultivo que depende da chuva), numa área um pouco distante da Agrovila. Em terras coletivas de 3,5 hectares são criados os animais. Em 1997 começaram a ser construídas as primeiras casas, a escola, a igreja, a praça. Quando tudo parecia bem, veio uma seca, entre 1998 e 1999, e foi necessária outra mobilização, para garantir acesso à água, por meio do Canal da Redenção.

Maria do Socorro Gouveia participou de todo o processo de conquistas. FOTO: Maristela Crispim

O apoio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf)foi decisivo para o desenvolvimento socioeconômico dos assentados. Hoje a produção é bastante diversificada, como apicultura, caprinocultura, bovinocultura, suinocultura, agricultura de sequeiro, pomar de frutíferas, hortas. A primeira mandala do País foi implantada no Assentamento. Esta experiência não foi adiante. Mas, aos poucos, o cultivo agroecológico vai ganhando força, contando também a feira agroecológica e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) para o escoamento dos produtos.

Filho de assentado, Cícero Fábio de Sousa Alvarenga, 37, é graduado em Agroecologia, mestre em Agronomia, técnico da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural da Paraíba (Emater-PB), vereador e responsável por diversas conquistas, em termos de infraestrutura, para o Assentamento, como calçamento, posto de saúde, quadra de vôlei de praia e suporte esportivo a crianças e adolescentes.

* A jornalista Maristela Crispim* viajou à Paraíba a convite da Inter Press Service – News Agency (IPS)

TAGS: ARIANO SUASSUNAASSOCIAÇÃO DOS AGRICULTORES DO ASSENTAMENTO ACAUÃ (AAAA)CANAL DA REDENÇÃOCOMISSÃO PASTORAL DA TERRA (CPT)CONFEDERAÇÃO DO EQUADORCONVIVÊNCIA COM O SEMIÁRIDODESTAQUEEMPRESA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA E EXTENSÃO RURAL DA PARAÍBA (EMATER-PB)FAZENDA ACAUÃINSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL (IPHAN)INTER PRESS SERVICE - NEWS AGENCY (IPS)JOÃO SUASSUNAMOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA (MST)O PAÍS DE SÃO SARUÊPROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS (PAA)PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF)REDE FERROVIÁRIA DO CEARÁ

 Por: Maristela Crispim*/Fonte: Agencia Eco Nordeste




Redes Sociais


Hora Certa

No Ar
OPINIÃO
Peça sua Música


Nenhuma pedido cadastrado


Publicidade Lateral
Top Música
1
Escreve aí
Luan Santana
2
Amor Infinito
Bonde do Brasil
3
Desejo de Amar
Mumuzinho (Part. Carolina Dickmann)
4
Mudando de Assunto
Henrique e Juliano
5
Os Anjos Cantam
Jorge e Mateus
6
Raridade
Anderson Freire
7
Você Mente
Zé Felipe
8
Hoje eu Tô Terrível
Cristiano Araújo
9
Oceano
Banda Encatu`s
10
Que Mal Te Fiz Eu?
Gusttavo Lima
Estatísticas
Visitas: 250326 Usuários Online: 26


Bate Papo

Digite seu NOME:


Parceiros

A Rádio mais comunitária da Paraíba!!!
Copyright (c) 2018 - A Rádio da Cultura - Aparecida PB - Todos os direitos reservados